sábado, 16 de setembro de 2017

A queda de Roma, e o que está a acontecer na Europa do século XXI ---- Os bárbaros que saquearam Roma entraram no Império como refugiados

.
 Os bárbaros que saquearam Roma entraram no Império como refugiados
postado em 30 de novembro de 2016 por Baron Bodissey
Em seu último ensaio, Emmet Scott explora os paralelos entre as invasões bárbaras de Roma no século 4 Dc, com as invasões migrantes da Europa no século 21.
Os bárbaros que saquearam Roma, entraram no Império como refugiados.
Ao longo do século passado, muitos comentaristas têm comentado sobre os paralelos entre o Ocidente moderno, e Roma antiga em seu período de decadência e declínio.
O proponente mais influente da idéia, talvez, tenha sido Oswald Spengler, cuja decadência do Ocidente é agora amplamente visto como um clássico do pensamento conservador.
Como pode ser imaginado, "progressistas" têm consistentemente zombado da idéia.
Pode-se lembrar do ditado chinês: "Quando um tolo vê o Tao [Verdade], ele ri.
Se ele não ri, não seria o Tolo. "
Os paralelos entre a decadente Roma, e do Ocidente moderno, estão realmente lá.
E eles são incrívelmente iguais, e estão se tornando mais numerosos a cada dia que passa, na Europa do século XXI.

Em 410 dC, os muros de Roma foram violados, e a cidade saqueada por um exército bárbaro sob a liderança de Alaric - o Goth.
Esta foi a primeira vez desde o cerco gaulês da cidade em torno de 390 aC, que a metrópole imperial tinha sido invadida por um inimigo hostil.
A queda de Roma chocou o mundo no momento, mas o que não é geralmente conhecido hoje em dia é que o exército gótico que realizou a atrocidade, tinha entrado no Império trinta anos antes como refugiados.
Até a segunda metade do século IV, os godos haviam habitado uma vasta faixa de território, o que agora compreende a Roménia, bem como a Ucrânia.
Em 375, no entanto, eles foram atacados pelos hunos, uma tribo de guerreiros nômades da Ásia Central, que tinham vindo em movimento constante para o Ocidente durante o século anterior e meio.
Na guerra que se seguiu, os godos sofreram uma derrota esmagadora, e um grande número deles fugiram para o oeste em direção ao Império Romano.
No verão de 376 uma enorme série de godos, geralmente estimado em cerca de 100.000, chegou ao Rio Danúbio e defendeu com as autoridades romanas a serem permitidos no Império.
O Oriente imperador Valente, naquele momento estacionados em Antioch, eventualmente, deu permissão para a tribo Therving, que correspondem a cerca de metade do número total de refugiados góticas, de serem transportados através do rio.
Há pelo menos dois séculos antes os romanos tinham bárbaros no Exército, que recrutou ativamente (necessário por causa da taxa de natalidade extremamente baixa de Roma), e Valens, fundamentado que os godos ofereceriam um valioso conjunto de recrutas novos e baratos. A operação para transportar estas pessoas em todo o Danúbio foi um um enorme e dispendiosa, e levou várias semanas para ser concluído e, como Amiano Marcelino comenta sarcasticamente, "diligente cuidado foi tomado para que nenhum destruidor futuro do estado romano deve ser deixado para trás, mesmo que eles fossem atingidos por uma doença fatal ".
Não é novidade que, dentro de algumas semanas de sua entrada no Império, os primeiros confrontos com as autoridades romanas ocorreram, e até o final do verão, os godos estavam em guerra com Roma.
Depois de vários desastres militares, o imperador Valente fez um retorno apressado a Constantinopla para assumir pessoalmente responsabilidade pela campanha, e foi morto na batalha de Adrianópolis, em 378 - apenas dois anos depois de ter sancionado a imigração em massa dos Godos.
Mas o pior ainda estava por vir.
Uma década e meia de paz inquieta foi terminada em 395 por uma guerra gótica renovada, desta vez sob a liderança de Alaric.
Comandando uma enorme horda de guerreiros (que eram de fato oficialmente soldados no exército romano) Alaric mudou para o sul da Trácia na Grécia, uma terra que ele começou a devastar.
Cidade após cidade foi tomada, a sua população masculina massacrada, sua população feminina estuprada e vendida como escrava, e sua riqueza saqueada.
Finalmente, em 396 o Império Ocidental mexeu-se e seu maior general Estilicão foi despachado com uma força considerável para o alívio de Hellas. Depois de um jogo longo de gato e rato em torno da Península do Peloponeso os godos foram presos pela ciência e táticas do general romano superior.
Infelizmente, no entanto, Stilicho não processou o cerco à sua conclusão, e os godos provocaram uma fuga ousada, e fez seu caminho para Epirus. 
Neste momento, um filósofo político grego chamado Sinésio, publicou um tratado amplamente discutido na presente emergência, e as medidas que deveriam ser tomadas.
Ele exortou o imperador, "reviver a coragem de seus súditos pelo exemplo de virtude viril; para banir o luxo da corte e do campo; para substituir, no lugar de mercenários bárbaros, um exército de homens na defesa de suas leis e de sua propriedade ... para despertar o cidadão indolente de seu sonho de prazer. ... Na cabeça dessas tropas que pode merecer o nome, e iria mostrar o espírito, de Romanos, ele [incentivou o imperador] nunca estender seus braços até que eles [os bárbaros] tinha perseguido longe nas solidões da Cítia ou os tinha reduzido ao estado de servidão ignominiosa ... "nas palavras de Gibbon," o tribunal do [Imperador] Arcádio, entregou o zelo, aplaudiu a eloqüência, e negligenciado o conselho de Sinésio. "em vez de exílio na solidão de Scythia, Alaric foi realmente promovido ao posto de mestre-geral da província de Eastern Ilíria, e os provinciais romanas, observa Gibbon, "eram justamente indignado que a ruína da Grécia e Epirus deve ser tão liberalmente recompensados."
Faz tudo isso som estranhamente familiar? O Pior ainda estava por vir; para o patriota que salvou a Grécia de Alaric, o Stilicho geral, foi ele próprio apenas uma década mais tarde, denunciada pela classe dominante romana e assassinado, juntamente com toda a sua família. Isso foi depois de Stilicho tinha salvado Itália a partir de um segundo ataque por Alarico, bem como de outro host bárbaro liderado por um Rhadagastus que tinha cruzou os Alpes e devastou o Vale do Po.
*********************              **        *******
Dymphna em30 de novembro de 2016 às 10:30 disse:
Que tipo de sociedade traz em bárbaros que não podem ser equiparados a fim de substituir as crianças que se recusaram a ter; que desculpas e premia os crimes horríveis desses bárbaros; e que pune patriotas que tentam parar as depredações dos referidos bárbaros?
Como é que um rótulo de "o tipo de sociedade" sem realmente fornecer o nome de um em particular? Alemanha foi deixando entrar e, em seguida, trazendo bárbaros turcos durante pelo menos uma geração ou mais. E através de sua riqueza e poder, a Alemanha tem sido forçando a Itália ea Grécia a fazer o mesmo ... com resultados desastrosos todo.
Os milhões de decisões individuais para não ter filhos, originado nas regras anti-família estabelecidas pelas burocracias na Europa Ocidental. Os estadistas não recompensam seus cidadãos terem filhos, ou tornar mais fácil ou atraente para os homens e mulheres jovens para estabelecer famílias. 
Ninguém poderia citar uma boa razão para se reproduzir. 
Em vez disso havia muitas razões para não fazê-lo, incluindo credos espúrios sobre o excesso de população.
Após os terrores e atribulações de duas guerras extremamente destrutivos (um após o outro para devorar tudo o que os homens e de riqueza sobreviveram ao primeiro), homens e mulheres europeus foram então enganado por seus governos para tomar mais fácil enquanto o estado de bem-estar tomou conta de todos. Basta comparar o socialismo destrutiva pós do governo britânico da Segunda Guerra Mundial com o governo conservador do pós-Segunda Guerra Mundial a Austrália para ver a bifurcação e declínio.
A situação era anormal em Roma para trás quando os godos "invadido". No entanto, tanto quanto ele tem sido estudada, quaisquer lições "aprendidas" foram feitas em um vácuo moral; ele nunca foi pensado para ser "a história aplicada" ou nunca ensinou como um aviso para a geração atual.
A todo o custo, o governo deve ser impedido de o fazer por nós o que podemos fazer nós mesmos.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Afinal os portugueses não são pobres… são mansos!

.

Afinal os portugueses não são pobres… são mansos!

Isto não é bem uma anedota, é uma realidade, mas que vista com sentido de humor dá para rir…
Estava a falar com um amigo meu nova-iorquino que conhece bem Portugal.
Dizia-lhe eu à boa maneira do “coitadinho” português:
Sabes amigo, nós os portugueses, somos pobres…
Esta foi a sua resposta:
Como podes tu dizer que sois pobres, quando sois capazes de pagar por um litro de gasolina, mais do triplo do que pago eu aqui?
Quando vos dais ao luxo de pagar tarifas de electricidade e de telemóvel 80% mais caras do que nos custam a nós nos EUA?
Como podes tu dizer que sois pobres quando pagais comissões bancárias por serviços e por cartas de crédito ao triplo que nós pagamos nos EUA?
Ou quando podem pagar por um carro que a mim me custa 12.000$US Dólares (8.320 EUROS) e vocês pagam mais de 20.000 EUROS, pelo mesmo carro? Podem dar mais de 11.640 EUROS de presente ao vosso governo do que nós ao nosso.
Nós é que somos pobres: por exemplo em New York o Governo Estatal, tendo em conta a precária situação financeira dos seus habitantes cobra somente 2 % de IVA, mais 4% que é o imposto Federal, isto é 6%, nada comparado com os 23% dos ricos que vivem em Portugal. 
E contentes com estes 23%, pagais ainda impostos municipais.
Além disso, são vocês que têm “impostos de luxo” como são os impostos na gasolina e no gás, álcool, cigarros, cerveja, vinhos etc., que faz com que esses produtos cheguem em certos casos até 300 % do valor original, e outros como imposto sobre a renda, impostos nos salários, impostos sobre automóveis novos, sobre bens pessoais, sobre bens das empresas, de circulação automóvel.
Um Banco privado vai à falência e vocês que não têm nada com isso pagam, outro, uma espécie de casino, o vosso Banco Privado quebra, e vocês protegem-no com o dinheiro que enviam para o Estado.
E vocês pagam ao vosso Governador do Banco de Portugal, um vencimento anual que é quase 3 vezes mais que o do Governador do Banco Federal dos EUA…
Um país que é capaz de cobrar o Imposto sobre Ganhos por adiantado e Bens pessoais mediante retenções, necessariamente tem de nadar na abundância, porque considera que os negócios da Nação e de todos os seus habitantes sempre terão ganhos apesar dos assaltos, do saque fiscal, da corrupção dos seus governantes e dos seus autarcas. Um país capaz de pagar salários irreais aos seus funcionários de estado e da iniciativa privada.
Os pobres somos nós, os que vivemos nos USA e que não pagamos impostos sobre a renda se ganhamos menos de 3.000 dólares ao mês por pessoa, isto é mais ou menos os vossos 2.080 €uros. ´
Vocês podem pagar impostos do lixo, sobre o consumo da água, do gás e da electricidade. 
Aí pagam segurança privada nos Bancos, urbanizações, municipais, enquanto nós como somos pobres nos conformamos com a segurança pública.
Vocês enviam os filhos para colégios privados, enquanto nós aqui nos EUA as escolas públicas emprestam os livros aos nossos filhos prevendo que não os podemos comprar.
Vocês não são pobres, gastam é muito mal o vosso dinheiro porque não tem políticos que se preocupem com as pessoas, mas sim com os grandes grupos económicos.
Vocês, portugueses não são pobres, ou são uns estúpidos ou uns mansos…
-----------------------------------------------------------------------------------------
Financial Times. Governo trabalha para os votos, não para reformar o país
7/9/2016
"Financial Times" escreve, em editorial, que o governo prefere anunciar "medidas anti-austeridade para agradar às massas" do que reformar o país.                                                                               “O governo português tem maior apetite por anunciar medidas anti-austeridade, para agradar às massas, do que medidas de reforma com o objetivo de tornar o setor público mais eficiente e incentivar o investimento”.
Foi esta a mensagem transmitida esta quarta-feira pelo diário financeiro Financial Times aos seus leitores, num artigo de análise escrito por um dos editores do jornal.
O jornal financeiro traça um quadro preocupante da situação em Portugal, um país que vive numa “tempestade perfeita de baixo crescimento económico, investimento em queda, fraca competitividade, défices orçamentais persistentes, e um setor bancário sub capitalizado que é dono de uma parte demasiado grande da enorme dívida pública do país”.
O que preocupa o Financial Times é que, para responder a todos estes desafios, está um “governo socialista minoritário, apoiado no parlamento pela extrema-esquerda”. 
“A questão é saber se os problemas de Portugal irão tornar um segundo resgate inevitável”, escreve o editor do Financial Times.
O problema mais urgente é que caso a agência DBRS venha a despromover o rating português no próximo mês, os investidores privados [na dívida portuguesa], “Portugal ficará um passo mais perto de um segundo resgate. 
Mas os mercados financeiros ficariam sem saber que medidas o BCE, os governos da zona euro e o FMI tomariam para salvar o país”.
O Financial Times lembra que um eventual segundo resgate iria, sem dúvida, promover “divergências” entre as partes envolvidas, entre as quais o FMI (ainda “queimado” pelas experiências na Grécia e, provavelmente, iria exigir uma reestruturação da dívida portuguesa) e a Alemanha (que tem eleições em 2017).     
http://observador.pt/2016/09/07/ft-governo-trabalha-para-os-votos-nao-para-reformar-o-pais/

                                                                                                                                    


Dívida Pública Portuguesa - MAI/2017 - IGCP

 

A dívida emitida pelo IGCP tinha, no final de julho de 2017, o valor de      243.596.721.572€ -- ( duzentos e quarenta e tres mil milhões de euros + uns quebrados ).

http://dividapublicaportuguesa.blogspot.pt/2017/08/divida-publica-portuguesa-mai2017-igcp.html

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

NÓS PORTUGUESES SOMOS REALMENTE UNS BANANAS
NÃO VEJO NUNO GOMES ANDAR DE MULETAS, OU AS RAZÕES PARA ESTA VERGONHOSA ATRIBUIÇÃO DESTA REFORMA INFAME,POR INVALIDEZAOS 34 ANOS.
12.905,00 EUROS/MÊS
DOZE MIL NOVECENTOS E CINCO EUROS POR MÊS.
ENTENDEU ZÉ POVINHO, OU QUEREM MAIS FUTEBOL, E LAMBEREM AS CUECAS DO CRISTIANO RONALDO

                                                                                                                                                                          


TOP-SECRET: Sócrates e as 'Off-Choras'


http://portugalglorioso.blogspot.com/2012/12/top-secret-socrates-e-as-off-choras.html






ESTADO ASSUME DÍVIDA DE 10 MILHÕES DE VÍTOR BAÍA  
Dívidas de 10 milhões de duas empresas do ex-guarda-redes ao BPN
VÍTOR BAÍA VIROU EMPRESÁRIO DEPOIS DE SE RETIRAR DO FUTEBOL 
FOTO: PEDRO CATARINO
O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor Baía ao BPN. A dívida resulta da concessão de créditos pelo banco, quando era liderado por José Oliveira e Costa, às sociedades Sunderel - Gestão Imobiliária, e Cleal - Investimentos Imobiliários, que foi gerida por António Manuel Esteves, o ex-sócio a quem Vítor Baía acusou de burla.
As dívidas da Sunderel e da Cleal ao BPN foram transferidas para a Parvalorem, sociedade criada para acolher os activos tóxicos do BPN no âmbito da privatização do banco, que foi nacionalizado no início de Novembro de 2008. Como a Parvalorem comprou esses créditos ao BPN, cabe agora a essa empresa pública recuperar o dinheiro.
Para já, segundo apurou o CM, a dívida da Sunderel rondará, incluindo juros de mora, quatro milhões de euros. Já a dívida da Cleal, incluindo também juros de mora, ascenderá a cerca de seis milhões de euros. Os empréstimos do BPN a estas empresas tiveram como objectivo financiar projectos ligados ao sector imobiliário.
Mesmo com a dívida total da Sunderel e da Cleal a rondar os 10 milhões de euros, "os créditos das empresas de Vítor Baía não são os piores, porque têm garantias reais", garante fonte conhecedora do processo. E tanto assim é que, segundo assegura a mesma fonte, "as garantias reais dão quase para pagar as dívidas [da Sunderel e da Cleal]".
A transferência da dívida destas firmas para a Parvalorem não é um caso único: desde o final de 2011, essa sociedade pública já comprou ao BIC créditos malparados no valor total de quase 4,2 mil milhões de euros.
O CM tentou falar, por telemóvel, com Vítor Baía, mas sem sucesso. Foram enviados SMS com o assunto em causa, mas o ex-guarda-redes não respondeu. Vítor Baía realizou, nos últimos anos, investimentos imobiliários: um deles foi o Hotel Évora Machede, no Alentejo.

http://www.flashvidas.pt/noticias/detalhe/estado_assume_divida_de_10_milhoes_de_vitor_baia.html

                                                                                                                                                                    

NÃO A MAIS UMA MESQUITA EM 

LISBOA.


António Costa aprova 3 milhões para nova mesquita que os Muçulmanos querem construir na Mouraria

Lisboa prepara-se para a construção do segundo espaço de culto islâmico, este no centro da cidade.
A sul do Tejo e no Porto também se sonha com um edifício próprio. Falta um terreno.
O projeto está feito, o espaço adjudicado, falta libertar os terrenos e demolir os prédios para que nasça a Praça da Mouraria, entre as ruas da Palma e do Bem Formoso.

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      


                                                                                                                                                                                                                                                                        






                                                                                                                                                                   


HÁ MILHARES DE PARASITAS A 

MAMAREM ETERNAMENTE EM TEUS 

IMPOSTOS.

CONTINUEM A VER FUTEBOL, É ISTO 

QUE ESTA ESCUMALHA MAÇON QUER   ................. 


Ramiro Lopes Andrade