sexta-feira, 26 de maio de 2017

Sweden: Immigrant Rampage Epidemic | Ingrid Carlqvist

.


https://pt.gatestoneinstitute.org/5336/suecia-estupros

Sweden: Capital of the Rifles of the West
By Ingrid Carlqvist and Lars Hedegaard

February 14, 2015
Original in English: Sweden: Capital of the West Rape
Translation: Joseph Skilnik


  • Forty years after the Swedish parliament unanimously decided to change the Swedish homogeneity of once to a multicultural country, violent crime grew by 300% and rapes by 700%. Sweden is already second in rapes, losing only to Lesotho in southern Africa.
  • It is striking that the report does not address the issue of the background of the rapists. However it is necessary to keep in mind that in statistics, the second generation of immigrants are considered Swedish.
  • In an impressive number of cases the Swedish courts demonstrated sympathy for the rapists, acquitting suspects who alleged that the girl wanted to have sex with six, seven or eight men.
  • Internet radio station Granskning Sverige asked the leading newspapers Aftonbladet and Expressen why they described criminals as "Swedes" when in fact they were Somalis without Swedish citizenship. They were very offended when asked if they felt any responsibility to warn Swedish women to stay away from certain men. The journalist asked why this should be their responsibility.
  • In 1975 the Swedish Parliament decided unanimously to change the homogeneity of Sweden from once in a multicultural country. After forty years the dramatic consequences of this experiment are emerging: violent crime has increased by 300%.
  • If we look at the numbers of rapes, the increase is even worse. In 1975 complaints were filed with the police of 421 rapes, in 2014 were 6,620. An increase of 1,472%.

Sweden is already second on the global list of rapes. 
According to a 2010 survey Sweden with 53.2 rapes per 100,000 inhabitants loses only to the tiny Lesotho in southern Africa with 91.6 rapes per 100,000 inhabitants.



According to figures published by the Swedish National Council for Crime Prevention (Brottsförebyggande rådet, known as Brå), an agency reporting to the Ministry of Justice, 29,000 Swedes reported in 2011 that they were raped (indicating that complaints are made to the police In less than 25% of cases).

Weird explanations
Instead of taking action on the issue of violence and rape, Swedish politicians, authorities and the media do their best to rationalize the facts. Here are some explanations:
The Swedes are more inclined to report crimes.
The law has changed, so that more sex crimes are now considered rape.
The Swedes are unable to cope with the increase in gender equity and react with violence against women (perhaps the most fanciful of all justifications).
A long-standing feminist myth is that the most dangerous place for a woman is her own home, where most of the rapes are committed by someone she knows. That claim was contested by the Brå report:
"In 58% of cases, the perpetrator was totally unknown to the victim. In 29% of cases, the perpetrator was known and in 13% of cases the offender was close to the victim."
Brå reports that there is no significant difference between women with Swedish or foreign background when it comes to the risk of being raped. It is striking that the report does not address the issue of the background of the rapists.

Unparalleled
In 1975, when politicians decided that Sweden should become multicultural, the Swedish population was 8,208,442. In 2014 it increased to 9,743,087, an increase of 18.7%. The growth is due exclusively to immigration as Swedish women give birth to 1.92 children compared to the average of 2.24 immigrants. However it is necessary to keep in mind that in statistics, the second generation of immigrants are considered Swedish.
The recent growth of the Swedish population is unparalleled. Never before in the history of the country has the population increased so rapidly. Sweden is currently the fastest growing country in Europe.
In the last 10 to 15 years the majority of immigrants came from Muslim countries like Iraq, Syria and Somalia. Could this huge influx of immigrants explain the explosion of rape cases in Sweden? It is difficult to give a precise answer because Swedish law prohibits registration based on religion or ancestors. One plausible explanation is that, on average, the people of the Middle East see woman and sex differently from the Scandinavians. And despite the Swedish establishment's effort to convince the population that all those who contribute on Swedish soil become exactly the same as those who have been here for dozens of generations, the facts point in a completely different direction.
The latest statistical survey on immigrant crime compared to Sweden was conducted in 2005. The results are almost never quoted. As if that were not enough, anyone who dares to speak of these results, such as in social networks, is relentlessly attacked.

Denigrate ethnic groups
Michael Hess, a Swedish Democratic Party politician, encouraged Swedish journalists to familiarize themselves with the Islamist view of women regarding the rapes that took place in Tahrir Square in Cairo during the Arab Spring. Hess says: "When you journalists will understand that it is deeply rooted in the Islamic culture to rape and mistreat women who refuse to respect Islamic teachings. There is a strong link between rape in Sweden and the number of immigrants from Middle Eastern countries and North Africa (MENA) ".
This observation made Michael Hess accused of "denigrating ethnic groups" (hets mot folkgrupp), which is considered a crime in Sweden. In May of last year he was convicted but had a prison sentence and suspended fine, the suspension was due to the fact that he had no previous conviction. There was an appeal against the verdict in a higher court.

For many years Michael Hess has lived in Muslim countries, he is well acquainted with Islam and how Islam views women. In his trial he presented evidence of how Sharia law deals with rape and statistics indicating that Muslims are overrepresented among rapists in Sweden. But the court ruled that facts are not relevant:
"The Court (Tingsrätten) notes that the fact that Michael Hess's statement corresponds to the truth or not, or seems to be true for Michael Hess, is irrelevant in this case. Michael Hess's statement must be judged based on timing and context. Michael Hess, who is the author of the book, has been quoted as saying that Michael Hess, Hess obviously was not part of a balanced (saklig) or trustworthy (vederhäftig) exposition. Michael Hess's pronouncement should therefore be seen as a form of contempt for immigrants of Islamic faith. "

Statistical tests
What can be concluded from the statistics available?
As part of the evidence presented to the court by Michael Hess, he made use of all the statistics available to him on immigrant crime in Sweden before the statistical authorities stopped the assessments. Michael Hess tried to find answers to two questions:
Is there any relation between the incidence of rapes and the number of people with foreign backgrounds in Sweden?
Is there any relation between the incidence of rapes and any specific group of immigrants in Sweden?
The answer to the two questions was an unequivocal "yes." Twenty-one research reports from the 1960s to the present day are unanimous in their conclusions: no matter if the calculation was made taking into account the number of rapists or suspected rape, men of foreign descent were overrepresented vis-à-vis the Swedes. And this greater representation of those with foreign background continues to increase:
1960 to the 1970s - 1.2 to 2.6 times more than the Swedes

Years 1980 - 2.1 to 4.7 times more than Swedes
Years 1990 - 2.1 to 8.1 times more than Swedes
Years 2000 - 2.1 to 19.5 times more than Swedes

Although they were adjusted for variables such as age, sex, social position and residence, the huge discrepancy between immigrants and Swedes remained.
Reports of crime research in Sweden have become a rarity, but in the eighteen reports made between the years 1990 and 2000, eleven have dealt with rape. Two of the reports address the relationship between rape and immigration and both confirm that there is a connection.
The data are available to the authorities, politicians and the press, yet they insist that the data does not reflect reality.

Outstanding Discrepancy
How can we explain then that in 2008, Denmark, Sweden's neighbor had only 7.3 rapes per 100,000 inhabitants compared to 53.2 in Sweden?
The Danish legislation is not very different from the Swedish legislation and there is no apparent reason why the Danish are less willing to lodge a complaint than the Swedish ones.
In 2011, 6,509 rapes were reported to the police and only 392 in Denmark. The population of Denmark is about half of the Swedish, so that even if adjusted to the Swedish one the discrepancy would still be considerable.
In Sweden the authorities do everything to hide the origin of the rapists. In Denmark, the state's official statistics department, Statistics Denmark, found that in 2010 more than half of the convicted rapists had backgrounds of immigrants.´

Over-represented foreigners
Since 2000, only one research report on immigrant crime has appeared. The report was conducted in 2006 by Ann-Christine Hjelm of the University of Karlstads.
It was found that in 2002, 85% of those sentenced to at least two years' imprisonment for rape in Svea Hovrätt, a resource court, were foreigners born or second generation immigrants.
In a 1996 report by the Swedish National Council for Crime Prevention concluded that immigrants from North Africa (Algeria, Libya, Morocco and Tunisia) are 23 times more likely to commit rape than Swedish men. Data on men in Iraq, Bulgaria and Romania are respectively 20, 18 and 18. Men from the rest of Africa are 16 times more likely to commit rape, and men from Iran, Peru, Ecuador and Bolivia are 10 times more likely than men to commit rape. The Swedish men.

Collective rages
A new trend has come to Sweden with full force in recent decades: collective rape, virtually unknown in Swedish criminal history. 
The number of collective rapes rose spectacularly between 1995 and 2006. 
Since then there have been no further studies on this subject.
One of the worst cases occurred in 2012 when a 30-year-old woman was raped by eight men in a housing project for asylum seekers in the small town of Mariannelund. 
The woman was known to a man from Afghanistan who lived in Sweden for a few years. He asked her out. She accepted. 
The Afghan took her to a shelter for refugees, leaving her totally defenseless. During the night she was repeatedly raped by asylum seekers and when her "friend" returned he raped her too. 
The next morning she managed to call the police. The Swedish Public Prosecutor has called the incident "the worst rape crime in Swedish criminal history".
Seven of the defendants were sentenced to 4.5 to 6.5 years in prison. Punishment is usually reduced by a third of the time, so they will soon be ready for further attacks, presumably against unfaithful women.
In cases of collective rape, both the accused and the victims are often young and often the perpetrators of immigrants are immigrant backgrounds, in most cases Muslim countries. In an impressive number of cases the Swedish courts have shown compassion for the rapists. Several times the courts acquitted suspects who alleged that the girl wanted to have sex with six, seven or eight men.
A memorable incident occurred in 2013 in the suburb of Tensta in Stockholm. A 15-year-old girl was locked up while six men of foreign descent had sex with her. The Court of First Instance convicted the six defendants, but the appeals court acquitted them because there was no violence and also because the court understood that the girl "was not in a situation where she could not defend herself."
In the current month the Swedish media reported a violent rape on the Finnish ferry Amorella on the crossing between Stockholm and Åbo in Finland. Bullet headlines told readers the criminals were Swedish:


  • "Several Swedish Men Are Suspected of Rape on the Finnish Ferry" (Dagens Nyheter).
  • "Six Swedish Men Rape a Woman in a Hut" (Aftonbladet).
  • "Six Swedes arrested for rape on a raft" (Expressen).
  • "Eight Swedes Suspected Rape on a Ferry" (TT - the Swedish News Agency).

Watching more closely, it became clear that seven of the eight suspects were Somalis and the other Iraqi. None of them had Swedish citizenship, so they were not even Swedish in that respect. According to witnesses the group was on the ferry looking for sex. Police have released four of them (but they are still suspect) while the others (all Somalis) remain in jail.

Internet radio station Granskning Sverige asked the leading newspapers Aftonbladet and Expressen why they described criminals as "Swedes" when in fact they were Somalis. That's irrelevant, the journalists said. They were very offended when asked if they felt any responsibility to warn Swedish women to stay away from certain men. The journalist asked why this should be their responsibility.
"If women knew maybe they could have stayed away from these men and avoided the rape," said the Granskning Sverige reporter. That was when the journalist immediately hung up the phone.
The Gatestone Institute agrees with articles written by Ingrid Carlqvist for this institute as of today, however Gatestone no longer has it in its staff.

Suécia: Epidemia de Estupros Cometidos Por Imigrantes | Ingrid Carlqvist

.


                                                                                                                                                                                                                                                     

https://pt.gatestoneinstitute.org/5336/suecia-estupros

  • Quarenta anos depois do parlamento sueco ter decidido, por unanimidade, mudar a homogenia Suécia de outrora para um país multicultural, os crimes violentos tiveram um crescimento de 300% e os estupros de 700%. A Suécia já está em segundo lugar em estupros, perdendo apenas para Lesoto no sul da África.
  • Chama a atenção o fato do relatório não tocar na questão do background dos estupradores. Contudo é necessário ter em mente que nas estatísticas, a segunda geração dos imigrantes são considerados suecos.
  • Em um impressionante número de casos os tribunais suecos demonstraram compaixão pelos estupradores, absolvendo suspeitos que alegavam que a menina queria ter sexo com seis, sete ou oito homens.
  • A estação de rádio da Internet Granskning Sverige perguntou aos importantes jornais Aftonbladet e Expressen porque eles descreveram os criminosos como "suecos" quando na verdade eram somalis sem cidadania sueca. Eles ficaram muito ofendidos quando questionados se sentiam alguma responsabilidade de avisar as mulheres suecas para ficarem longe de determinados homens. O jornalista perguntou porque isso deveria ser responsabilidade deles.
Em 1975 o parlamento sueco decidiu, por unanimidade, mudar a homogenia da Suécia de outrora em um país multicultural. Após quarenta anos as dramáticas consequências desse experimento estão emergindo: crimes violentos aumentaram 300%.
Se examinarmos os números de estupros, o aumento é ainda pior. Em 1975 foram prestadas queixas à polícia de 421 estupros, em 2014 foram 6.620. Um aumento de 1.472%.
A Suécia já está em segundo lugar na lista global de estupros. De acordo com um levantamento de 2010 a Suécia com 53,2 estupros por 100.000 habitantes perde apenas para o minúsculo Lesoto no sul da África com 91,6 estupros por 100.000 habitantes.


Incidência de estupros por 100.000 habitantes, comparação por país (selecionados países no topo e na base), estatística de 2012 do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes. (imagem: Wikimedia Commons)

De acordo com os números publicados pelo Conselho Nacional Sueco de Prevenção ao Crime (Brottsförebyggande rådet, conhecido como Brå), agência subordinada ao Ministério da Justiça, 29.000 suecas, em 2011, relataram que foram estupradas (o que indica que são prestadas queixas à polícia em menos de 25% dos casos).

Explanações esquisitas

Em vez de tomar providências em relação ao problema da violência e do estupro, os políticos suecos, autoridades e a mídia fazem o possível para racionalizar os fatos. Seguem algumas dessas explanações:
  • os suecos estão mais inclinados a denunciar crimes.
  • a lei mudou, de modo que mais crimes sexuais são agora considerados estupro.
  • os suecos não estão conseguindo lidar com o aumento da equidade dos sexos e reagem com violência contra as mulheres (talvez a mais fantasiosa de todas as justificativas).
Um mito feminista de longa data é que o lugar mais perigoso para uma mulher é a sua própria casa, onde a maioria dos estupros são cometidos por algum conhecido. Essa alegação foi refutada pelo relatório do Brå:
"em 58% dos casos o criminoso era totalmente desconhecido da vítima. Em 29% dos casos o criminoso era conhecido e em 13% dos casos o criminoso era próximo da vítima".
O Brå relata que não há diferença significativa entre mulheres com background sueco ou estrangeiro quando se trata do risco de ser estuprada. Chama a atenção o fato do relatório não tocar na questão do background dos estupradores.

Sem paralelo

Nos idos de 1975, o ano em que os políticos decidiram que a Suécia deveria se tornar multicultural, a população sueca era de 8.208.442 habitantes. Em 2014 ela aumentou para 9.743.087, um crescimento de 18,7%. O crescimento se deve exclusivamente à imigração já que as suecas dão a luz a 1,92 filhos comparado à média de 2,24 das imigrantes. Contudo é necessário ter em mente que nas estatísticas, a segunda geração dos imigrantes são considerados suecos.
O recente crescimento da população sueca não tem paralelo. Nunca antes na história do país o número de habitantes cresceu com tanta rapidez. A Suécia é atualmente o país com o crescimento mais rápido da Europa.
Nos últimos 10 a 15 anos a maioria dos imigrantes veio de países muçulmanos como o Iraque, Síria e Somália. Será que esse enorme ingresso de imigrantes pode explicar a explosão dos casos de estupro na Suécia? É difícil dar uma resposta precisa porque a legislação sueca proíbe registro com base na religião ou nos ancestrais. Uma explicação plausível é que, na média, os povos do Oriente Médio veem a mulher e o sexo de maneira totalmente diferente da dos escandinavos. E apesar do esforço do establishment sueco em convencer a população de que todos aqueles que aportam em solo sueco se tornam exatamente iguais àqueles que estão aqui por dezenas de gerações, os fatos apontam para uma direção completamente diferente.
O último levantamento estatístico sobre a criminalidade dos imigrantes comparado com o dos suecos foi realizado em 2005. Os resultados não são quase nunca citados. Como se isso não bastasse, qualquer um que ousar falar desses resultados, como por exemplo nas redes sociais, é implacavelmente atacado.

Denegrir grupos étnicos

Michael Hess, político do Partido Democrata Sueco, incentivou jornalistas suecos a se familiarizarem com o ponto de vista do Islã em relação às mulheres, com relação aos estupros que ocorreram na Praça Tahrir no Cairo durante a "Primavera Árabe". Hess diz o seguinte: "quando vocês jornalistas irão entender que está profundamente enraizado na cultura islâmica estuprar e maltratar mulheres que se recusam a respeitar os ensinamentos islâmicos. Há uma forte ligação entre estupros na Suécia e o número de imigrantes de países do Oriente Médio e Norte da África (MENA em inglês)".
Essa observação fez com que Michael Hess fosse acusado de "denegrir grupos étnicos" (hets mot folkgrupp), o que é considerado crime na Suécia. Em maio do ano passado ele foi condenado, mas teve a pena de prisão e multa suspensa, a suspensão se deu devido ao fato dele não ter nenhuma condenação anterior. Houve um recurso contra o veredito em um tribunal superior.
Por muitos anos Michael Hess morou em países muçulmanos, ele está bem familiarizado com o Islã e como o Islã vê as mulheres. Em seu julgamento ele apresentou provas de como a lei da Sharia lida com o estupro e estatísticas indicando que os muçulmanos estão super-representados entre os estupradores na Suécia. Mas o tribunal decidiu que fatos não são relevantes:
"O Tribunal (Tingsrätten) observa que o fato do pronunciamento de Michael Hess corresponder à verdade ou não, ou parecer ser verdade para Michael Hess, não tem importância nesse caso. A declaração de Michael Hess deve ser julgada com base no timing e contexto. ... Na época do delito, Michael Hess não citou nenhum levantamento reconhecido nem fontes islâmicas. Foi somente por conta de seu indiciamento que Michael Hess tentou encontrar sustentação em pesquisas e escritos religiosos. Por esta razão, segundo o tribunal, o pronunciamento de Michael Hess obviamente não fez parte de uma exposição equilibrada (saklig) ou digna de confiança (vederhäftig). O pronunciamento de Michael Hess deve, portanto, ser visto como uma forma de desprezo em relação aos imigrantes de fé islâmica".

Provas estatísticas

O que se pode concluir das estatísticas disponíveis?
Como parte das provas apresentadas no tribunal por Michael Hess, ele fez uso de todas as estatísticas ao seu dispor sobre a criminalidade de imigrantes na Suécia antes que as autoridades responsáveis pelas estatísticas parassem com as avaliações. Michael Hess tentou encontrar respostas para duas perguntas:
  1. há alguma relação entre a incidência de estupros e o número de pessoas com background estrangeiro na Suécia?
  2. há alguma relação entre a incidência de estupros e algum grupo específico de imigrantes na Suécia?
A resposta às duas perguntas foi um inequívoco "sim". Vinte e um relatórios de pesquisas dos anos de 1960 até hoje são unânimes em suas conclusões: não importa se o cálculo foi realizado levando em conta o número de estupradores ou suspeitos de estupro, homens de descendência estrangeira foram super-representados em relação aos suecos. E essa maior representação daqueles com background estrangeiro continua aumentando:
  • 1960 aos anos de 1970 – 1,2 a 2,6 vezes mais que os suecos
  • Anos de 1980 – 2,1 a 4,7 vezes mais que os suecos
  • Anos de 1990 – 2,1 a 8,1 vezes mais que os suecos
  • Anos 2000 – 2,1 a 19,5 vezes mais que os suecos
Ainda que fossem ajustados quanto às variáveis como idade, sexo, posição social e residência, a enorme discrepância entre imigrantes e suecos se mantêm.
Relatórios de pesquisas sobre crimes na Suécia se tornaram uma raridade, mas nos dezoito relatórios feitos entre os anos de 1990 e os anos 2000, onze lidaram com estupro. Dois dos relatórios tratam da relação entre estupro e imigração e ambos confirmam que há uma ligação.
Os dados estão disponíveis para as autoridades, políticos e imprensa, ainda assim eles insistem que os dados não refletem a realidade.

Discrepância gritante

Como explicar então que em 2008, a Dinamarca, vizinha da Suécia tinha apenas 7,3 estupros por 100.000 habitantes comparado com 53,2 na Suécia?
A legislação dinamarquesa não difere muito da sueca e não há nenhum motivo aparente do porquê das dinamarquesas estarem menos dispostas a prestarem queixa do que as suecas.
Em 2011, foram prestadas queixas à polícia de 6.509 estupros e apenas 392 na Dinamarca. A população da Dinamarca é cerca da metade da sueca, de modo que, ainda que fosse ajustada à da sueca a discrepância continuaria sendo considerável.
Na Suécia as autoridades fazem de tudo para esconder a origem dos estupradores. Na Dinamarca o departamento oficial de estatística do estado, Estatística da Dinamarca, revelou que em 2010 mais da metade dos estupradores condenados tinham background de imigrantes.

Estrangeiros super-representados

Desde 2000 apareceu somente um relatório de pesquisa sobre crimes de imigrantes. O relatório foi realizado em 2006 por Ann-Christine Hjelm da Universidade de Karlstads.
Constatou-se que em 2002, 85% dos sentenciados a pelo menos dois anos de prisão por estupro em Svea Hovrätt, um tribunal de recursos, eram estrangeiros de nascença ou segunda geração de imigrantes.
Em um relatório de 1996 do Conselho Nacional Sueco de Prevenção ao Crime concluiu que os imigrantes do norte da África (Argélia, Líbia, Marrocos e Tunísia) são 23 vezes mais propensos a cometerem estupro do que os homens suecos. Os dados sobre homens do Iraque, Bulgária e Romênia são respectivamente, 20, 18 e 18. Homens do resto da África são 16 vezes mais propensos a cometerem estupro, e homens do Irã, Peru, Equador e Bolívia, 10 vezes mais propensos do que os homens suecos.

Estupros coletivos

Uma nova tendência chegou à Suécia com força total nas últimas décadas: estupro coletivo, virtualmente desconhecido na história criminal sueca. O número de estupros coletivos aumentou de maneira espetacular entre 1995 e 2006. Desde então não houve mais estudos sobre esse assunto.
Um dos piores casos ocorreu em 2012, quando uma mulher de 30 anos foi estuprada por oito homens em um projeto habitacional para requerentes de asilo na pequena cidade de Mariannelund. 
A mulher era conhecida de um homem do Afeganistão que morou na Suécia por alguns anos. 
Ele a convidou para sair. 
Ela aceitou. 
O afegão a levou a um conjunto habitacional para refugiados deixando-a lá totalmente indefesa. 
Durante a noite ela foi estuprada repetidamente pelos requerentes de asilo e quando seu "amigo" voltou ele também a estuprou. 
Na manhã seguinte ela conseguiu chamar a polícia. 
O Promotor Público da Suécia classificou o incidente como o "pior crime de estupro da história criminal sueca".
Sete dos acusados foram sentenciados de 4,5 a 6,5 anos na prisão. 
O cumprimento da pena normalmente é reduzido por um terço do tempo, de modo que logo eles estarão prontos para novos ataques, presumivelmente contra mulheres infiéis.

Em casos de estupro coletivo tanto os acusados quanto as vítimas são, com muita frequência, jovens e quase sempre os criminosos têm background de imigrantes, na maioria dos casos de países muçulmanos. 
Em um impressionante número de casos os tribunais suecos demonstraram compaixão pelos estupradores. Diversas vezes os tribunais absolveram suspeitos que alegavam que a menina queria ter sexo com seis, sete ou oito homens.
Um incidente memorável ocorreu em 2013 no subúrbio de Tensta em Estocolmo. Uma menina de 15 anos ficou trancada enquanto seis homens de descendência estrangeira mantinham relações sexuais com ela. O Tribunal de Primeira Instância condenou os seis acusados, porém o tribunal de recursos os absolveu porque não houve violência e também porque a corte entendeu que a menina "não estava em uma situação em que não podia se defender".
No mês corrente a grande mídia sueca relatou um violento estupro coletivo na balsa finlandesa Amorella, na travessia entre Estocolmo e Åbo na Finlândia. Manchetes com letras garrafais diziam aos leitores que os criminosos eram suecos:
  • "vários Homens Suecos são Suspeitos de Estupro na Balsa da Finlândia " (Dagens Nyheter).
  • "Seis Homens Suecos Estupraram uma Mulher em uma Cabana " (Aftonbladet).
  • "Seis Suecos Presos por Estupro em uma Balsa " (Expressen).
  • "Oito Suecos Suspeitos de Estupro em uma Balsa " (TT – the Swedish News Agency).
Observando com mais atenção, ficou evidente que sete dos oito suspeitos eram somalis e o outro iraquiano. Nenhum deles tinha a cidadania sueca, de modo que nem sob esse aspecto eram suecos. Segundo testemunhas o grupo estava na balsa a procura de sexo. A polícia liberou quatro deles (mas ainda são suspeitos) enquanto os demais (todos somalis) continuam presos.
A estação de rádio da Internet Granskning Sverige perguntou aos importantes jornais Aftonbladet e Expressen porque eles descreveram os criminosos como "suecos" quando na verdade eram somalis. Isso é irrelevante, disseram os jornalistas. Eles ficaram muito ofendidos quando questionados se sentiam alguma responsabilidade de avisar as mulheres suecas para ficarem longe de determinados homens. O jornalista perguntou porque isso deveria ser responsabilidade deles.
"Se as mulheres soubessem talvez pudessem ter ficado longe desses homens e evitado o estupro", disse o repórter do Granskning Sverige. Foi quando o jornalista imediatamente desligou o telefone.
O Gatestone Institute concorda com os artigos escritos por Ingrid Carlqvist para este instituto até a data de hoje, contudo o Gatestone não conta mais com ela em seu quadro de colaboradores.

I have been waiting a few days for the facts of the Manchester attack to be clearer ( 22 DEAD CHILDREN AND 70 MUTILATED CHILDREN ), and I come to the conclusion that we will have to adopt the following axiom ( EYE FOR EYE, TOOTH FOR TOOTH ), these degenerates of ISLAM MOTHERFUCKERS PEACE AND LOVE, will only understand when their children / women / fathers and mothers, have the same fate as the victims of Manchester. What happens also in Sweden is alarming, is quickly becoming a third world country ////// POLITICIANS SOLD FROM SHARP THE MASONRY, WILL TAKE IN THE CUP PEDOPHILOS MOTHERFUCKERS !!!!!!!!!!

.
EYE FOR EYE, TOOTH FOR TOOTH  

The dead and wounded of Manchester

Policiais e outras pessoas tentam socorrer feridos após explosão na Manchester Arena durante show da cantora Ariana Grande na noite de segunda-feira (22) (Foto: PA via AP)
Police officers and others attempted to rescue injured people after an explosion at Manchester Arena during singer Ariana Grande's concert on Monday night (22)


The explosion at the exit of a concert of Ariana Grande, in Manchester, England, killed 22 people and injured another 59 on the night of Monday (22). Twelve children and adolescents up to the age of 16 are among the seriously injured victims, according to the British emergency service.

                                                                                                                                                                                                                                                             

MANCHESTER - Islam religion of Peace / Love and Tolerance.  
DEGENERATES MUSLIM´S  MOTHERFUCKERS



FONTE:
http://totalitarismouniversalista.blogspot.pt

                                                                                                                                                                                                                                                     

See what Islam is doing in Sweden.
Sweden will become a third world country.



                                                                                                                                                                                                                 

I've been waiting for days for the bombing of Manchester to become clearer (22 DEAD CHILDREN AND 70 MUTILATED).
I come to the conclusion, that we will have to adopt the following axiom (EYE FOR EYE, TOOTH FOR TOOTH).
These degenerates, motherfuckers of PEACE AND LOVE ISLAM, will only understand when their children / women / fathers and mothers, have the same fate as the victims of Manchester.
What is also happening in Sweden is alarming, it is fast becoming a third world country.
POLITICIANS SOLD FROM SHARP TO MASONRY !!!!!!!!
GO TO TAKE INTO THE CUP PEDOPHILOS MOTHERFUCKERS

EYE FOR EYE, TOOTH FOR TOOTH


HERE FOR YOU MUSLIM PIGS, SHIT DEGENERATED, MUSLIM MOTHERFUCKERS !!!!!!!
STICK THE QURAN UP IN YOUR ASS ...............    

Estive uns dias a esperar que os factos do atentado de Manchester ficassem mais claros ( 22 CRIANÇAS MORTAS E 70 FERIDOS MUTILADOS ), e chego a conclusão, que teremos que adoptar o seguinte axioma ( OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE ), estes degenerados do ISLÃO PAZ E AMOR, só vão entender, quando os filhos deles / mulheres / pais e mães, tiverem o mesmo destino das vítimas de Manchester. O que acontece também na Suécia é alarmante, rapidamente está a se transformar num país de 3º mundo ////// POLÍTICOS VENDIDOS DE MERDA A MAÇONARIA, VÃO TOMAR NO CÚ PEDÓFILOS CABRÕES DE MERDA !!!!!!!!!!!!

.
OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE

Os mortos e feridos de Manchester

Policiais e outras pessoas tentam socorrer feridos após explosão na Manchester Arena durante show da cantora Ariana Grande na noite de segunda-feira (22) (Foto: PA via AP)
Policiais e outras pessoas tentam socorrer feridos após explosão na Manchester Arena durante show da cantora Ariana Grande na noite de segunda-feira (22)

A explosão na saída de um show de Ariana Grande, em Manchester, na Inglaterra, matou 22 pessoas e feriu outras 59 na noite desta segunda-feira (22). Doze crianças e adolescentes de até 16 anos estão entre as vítimas gravemente feridas, de acordo com o serviço de emergência britânico.

                                                                                                                                                                                                                                                          

MANCHESTER - A religião da PAZ DO AMOR, E DÁ TOLERÂNCIA. 
PORCOS PEDÓFILOS MUÇULMANOS !!!!



FONTE:
http://totalitarismouniversalista.blogspot.pt

                                                                                                                                                                                                                                                     

Veja o que o Islã está fazendo na Suécia.
Suécia irá virar um país de terceiro mundo.



                                                                                                                                                                                                                 

Estive uns dias a esperar que os factos do atentado de Manchester ficassem mais claros ( 22 CRIANÇAS MORTAS E 70 FERIDOS MUTILADOS ). 
Chego a conclusão, que teremos que adoptar o seguinte axioma ( OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE ). 
Estes degenerados FILHAS DAS PUTAS do ISLÃO PAZ E AMOR, só vão entender, quando os filhos deles / mulheres / pais e mães, tiverem o mesmo destino das vítimas de Manchester. 
O que acontece também na Suécia é alarmante, rapidamente está a se transformar num país de 3º mundo. 
POLÍTICOS VENDIDOS DE MERDA A MAÇONARIA !!!!!!!! 
VÃO TOMAR NO CÚ PEDÓFILOS CABRÕES DE MERDA 

OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE !!!!!!

AQUI PARA VOCES PORCOS MUÇULMANOS, ENFIEM O ALCORÃO PELO VOSSO CÚ ACIMA, DEGENERADOS DE MERDA !!!!!!!!

MUÇULMANOS FILHAS DAS PUTAS. DEGENERADOS DE MERDA, PEDÓFILOS.
VÃO PARA A PUTAS QUE OS PARIU !!!


GIRL AND HORSE - I liked !!!!!!!!!!

.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Toquinho e Miucha (Ao Vivo na Itália) ------- Wonderful Music Brasilian

.



João Gilberto e Caetano Veloso - Ao Vivo em Buenos Aires, 1999



Caetano Veloso & Gilberto Gil - 2015 Jazz In Mariac



Marisa Monte - As melhores



Kid Abelha - 30 Anos


LEGIÃO URBANA AS MELHORES MUSICAS

quinta-feira, 11 de maio de 2017

TU PORTUGUÊS ............. ÉS UM PALHAÇO !!!!!!!!!!!!!

.


TU ÉS UM PALHAÇO, QUE VAI GASTAR PELO MENOS 100 MILHÕES DE EUROS, NA VISITA DO PAPA Á FÁTIMA, EM DESPESAS DE SEGURANÇA.

TU ÉS UM PALHAÇO QUE PAGA JUROS DE 242 BILIÕES DE EUROS DE DÍVIDA PUBLICA, DINHEIRO ROUBADO PELOS POLÍTICOS, E TU PALHAÇO PORTUGUÊS ....................... AINDA VOTA NELES.

TU ÉS UM PALHAÇO QUE PAGA IMI DO  SOL.

TU ÉS UM PALHAÇO QUE PAGA A ELETRICIDADE MAIS CARA DA EUROPA.

TU ÉS UM PALHAÇO QUE PAGA OS COMBUSTÍVEIS MAIS CAROS DA EUROPA ( UMA GARRAFA DE GÁS DA GALP EM ESPANHA CUSTA 13,50 €, EM PORTUGAL, TU PAGAS 24 € ).

TU ÉS UM PALHAÇO, POIS VAMOS CONSTRUIR UMA MAIS UMA MESQUITA NA MOURARIA / LISBOA, COM 3 MILHÕES DE EUROS DE NOSSOS IMPOSTOS.

TU ÉS UM PALHAÇO QUE PAGA PENSÕES VITALÍCIAS AOS POLITICOS QUE TE ROUBAM DIÁRIAMENTE.

TU ÉS UM PALHAÇO QUE TEM 230 PALHAÇOS MAÇONS NA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DAS  BANANAS PORTUGUESA, NUM PAÍS COM 92 MIL QUILÓMETROS QUADRADOS E 10 MILHÕES DE HABITANTES ................. ENQUANTO A AUSTRÁLIA COM 22 MILHÕES DE PESSOAS, COM UM PAÍS COM MAIS DE 7 MILHÕES DE QUILÓMETROS QUADRADOS ....TEM 150 DEPUTADOS !!!!!

TU ÉS UM PALHAÇO, PORQUE QUE TEMOS ARMANDO VARA CONDENADO Á 10 ANOS DE PRISÃO, E AINDA ESTÁ SOLTO.

TU ÉS UM PALHAÇO, PORQUE QUE TEMOS UM DUARTE LIMA CONDENADO POR CORRUPÇÃO, E AINDA ANDA SOLTO.

TU ÉS UM PALHAÇO, PORQUE TEMOS UM PAULO PEDROSO / FERRO RODRIGUES / JAIME GAMA / JORGE SAMPAIO, ENVOLVIDOS NA CASA PIA, E ESTÃO SOLTOS COMO UNS PASSARINHOS, A GOZAR COM AS PESSOAS SÉRIAS DE PORTUGAL.

TU ÉS UM PALHAÇO, PORQUE TEMOS RICARDO SALGADO SOLTO, DEPOIS DE TER LEVADO A RUÍNA MILHARES DE PORTUGUESES, QUE LHE CONFIARAM SEU DINHEIRO.

TU ÉS UM PALHAÇO, PORQUE TEMOS JOSÉ SOCRATES, COM 383 MILHÕES DE EUROS DEPOSITADOS EM NOME DA MÁE / TIO / E PRIMO EM OFFSHORES .... E ESTE MARICAS DIZ QUE É HERANÇA.

TU ÉS UM PALHAÇO, POIS TEMOS UM MARICAS  COMO O PAULO PORTAS, ENVOLVIDO NO CASO DOS SUBMARINOS, E NADA ACONTECE.

TU ÉS UM PALHAÇO, PORQUE TEMOS UM PASSOS COELHO ENVOLVIDO NA TECNOFORMA, E NADA ACONTECE.

TU ÉS UM PALHAÇO, POIS TEMOS UM MIGUEL RELVAS ENVOLVIDO NO BANCO EFISA, QUE DEU UM PREJUÍZO AO ESTADO PORTUGUÊS DE 35 MILHÕES DE EUROS, E NADA ACONTECE.

TÚ ÉS UM PALHAÇO, POR ELEGER TODOS OS POLÍTICOS DE PORTUGAL, TODOS CORRUPTOS E LADRÕES ( NISTO EU NÃO SOU PALHAÇO, POIS NÃO VOTO EM MAIS NENHUM .............. NUNCA MAIS !!!!!! ).

TU ÉS UM PALHAÇO, POIS TEMOS A MAÇONARIA INFILTRADA EM TODO O APARELHO DO ESTADO PORTUGUES:
GOVERNO CENTRAL
AUTARQUIAS
TRIBUNAIS
ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
POLICIAS
SIS / SIED / PJ
FORÇAS ARMADAS

TU E EU, RAMIRO LOPES ANDRADE, SOMOS UNS PALHAÇOS, POIS TOLERAMOS TUDO ISTO QUE FOI DITO, E ASSOBIAMOS PARA O LADO ......... AFINAL,

SOMOS CAMPEÕES EUROPEUS DE FUTEBOL ........ NADA MAIS INTERESSA !!!!!!



TENHO DITO.

RAMIRO LOPES ANDRADE

                                                                                                                                                                                                              




 ELEIÇÕES ........ O EMBUSTE QUE CEGA OS PORTUGUESES !!!!!!!!!!!!

segunda-feira, 8 de maio de 2017

The French will have a GAY president ....... HAHAHAHAHAHAHAHA ...... Macron is gay, VIVA LA FRANCE !!!!!!!!!! Rumors that the former minister of Hollande has an extramarital affair with another man, namely Mathieu Gallet, president of Radio France ------------- I will enjoy and laugh at all the French that I find in the front , MACRON IS GAY !!!!!!!!!

.
Macron & Mama Brigitte & Papa Merkel


Macron is gay !!!!!!!!

Is married to a woman 24 years older ......... hummmmm

No coincidence, do not we have Camilo Castelo Branco ---- gay portuguese?
And he even looks like Macron.

I will enjoy and laugh at all the French that I find in the front. 

Worse than being gay, is being gay, and do not assume it is !!!!!

Hahahahahahahahahahahahahaha

Macron is gay !!!!!!!!
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA



Mathieu Gallet, president of Radio France, Macron's sweetheart love
Rumeur Qui est Mathieu Gallet, avec qui Emmanuel Macron dément avoir une liaison ?

                                                                                                                                                                                                                                                    

FRANCE
Macron denies rumors of extra-marital affair with another man

8/2/2017

Candidate contested rumors, fueled by press linked to the Russian government, to have homosexual relationship outside of marriage. 
Macron is married to a woman 24 years older, who was his teacher.
And as Macron stepped up in the polls, rumors rose that Hollande's former minister has an extramarital affair with another man, namely Mathieu Gallet, president of Radio France.

Http://observador.pt/2017/02/08/macron-desmente-rumores-de-caso-extra-marital-com-outro-homem/

sábado, 6 de maio de 2017

Le président français est un GAY ...... ....... hahahahahahahaha ---- Macron est gay, vivre France !!!!!!!!!! Rumeurs que l'ancien ministre de la Hollande a une liaison extra-conjugale avec un autre homme, à savoir Mathieu Gallet, président de Radio France. -------- Je viendrai avec tous les Français pour trouver l'avant, MACRON est GAY !!!!!!!!!

.
Macron & Mama Brigitte & Papa Merkel


Macron est gay !!!!!!!!

Il est marié à une femme de 24 ans de plus ......... hummmmm

Il est pas un hasard, nous n'avons pas Camilo Castelo Branco - Portugais gay ?
Et il ressemble même à Macron.

Je viendrai avec tous les Français pour trouver l'avant, MACRON est GAY !!!!!!!!!

Pire que d'être Sissy, est d'être Sissy, ne suppose que c'est !!!!!

HAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHHA

Macron gay

Mathieu Gallet, presidente de Radio France, la petite amie Macron

Rumeur Qui est Mathieu Gallet, avec qui Emmanuel Macron dément avoir une liaison ?

                                                                                                                                                                                                                                                                  

http://observador.pt/2017/02/08/macron-desmente-rumores-de-caso-extra-marital-com-outro-homem/

FRANCE
Macron réfute les rumeurs de relation extra-conjugale avec un autre homme

Candidat contesté les rumeurs, alimentées par la presse liée au gouvernement russe, d'avoir des relations homosexuelles en dehors du mariage. Macron est marié à une femme de 24 ans plus âgé, qui était son professeur.
Et comme Macron a augmenté dans les sondages, le ton a augmenté les rumeurs selon lesquelles l'ancien ministre de la Hollande a une liaison extra-conjugale avec un autre homme, à savoir Mathieu Gallet, président de Radio France.